Miserere Mei, Deus

sexta-feira, 24 de março de 2017

Frei Ricardo do Pilar: O Pintor Seiscentista do Rio de Janeiro

Frei Ricardo do Pilar natural de Colônia, irmão leigo do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, é um dos nossos primeiros pintores coloniais, já possui uma certa bibliografia. Desde Manuel de Araujo Porto Alegre (1841) ate Francisco Marques dos Santos (em 1938), o piedoso artista alemão encontrou muitos admiradores e alguns críticos. Infelizmente, porem, não houve até hoje quem se lembrasse de investigar suas obras, sendo que apenas se ocuparam em preconizar a tela de Nosso Senhor dos Martírios, no altar da bela sacristia do mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro.
Da mesma forma, durante dois longos seculos, não se fez qualquer tentativa no sentido de elucidar um pouco mais os raros elementos da humilde biografia do nosso Fra Angelico brasileiro. Assim, temos de nos limitar ainda as parcas linhas que nos deixou o cronista do mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, transcritas, em 1773, para o novo Dietário, a p. 242, pelo monge carioca Frei Paulo da Conceição Ferreira de Andrade:
0 quinquagesimo segundo foi o Ir. Donado F. Ricardo do Pilar natural de Co-Ionia nos estados de Flandres. Este monge viveo nesta caza muitos annos sendo secular sempre recolhido, sempre mortificado, e penitente. Em premio dos sees muitos ser visos the derao o habito de converso, e professou em 24 de maio de 1695 sendo D. Abade o Pe. Me. Dor. Fr. Joao Monteiro. Nunca vestio camiza; e o seo sustento nestes ultimos annos não passava de huns mal guizados legumes; sustentando com a sua ração a hum prezo da cadeia com licença dos prelados; e com a mesma distribuia os seos provimentos pelos pobres, contentando-se com hum velho, e pobre habito para lhe cobrir as carnes; tinha muita docilidade de animo, clareza de entendimento, e possuia a lingua latina. Era insigne pintor, e o primor da sua arte ainda hoje se representa a nora vista nas veneraveis imagens do altar da sacristia, tecto da capela mor, e suas paredes e painel da portaria. Em 12 de fevereiro de 17o0 acabou este monge a penitente vida que fez nesta caza pelo espaso de trinta annos que nela viveo, sendo D. Abade o Pe. Me. Dos. Fr. Gabriel do Desterro". 

Santo Anselmo 
Capela-mor do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro


Além destas linhas, que não registram a data do nascimento nem o nome da família do biografado, o arquivo do mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro ainda possui o precioso e inédito Catálogo dos Abades, que por diversas vezes se refere aos trabalhos de Frei Ricardo do Pilar. No mesmo arquivo ainda se conserva a sua carta de profissão monástica, documento de grande valor. De tôdas estas fontes, além da expressa afirmação do arquivista na apostila da carta de profissão, se depreende com absoluta certeza que Frei Ricardo do Pilar foi artista formado e pintor de profissão.
Sendo filho da antiga e histórica cidade de Colônia, a Roma alemã, parece certo que haja realizado a sua formação na própria cidade natal, que então possuia a sua já secular escola de pintura. Por muito tempo, inspirara-se essa escola na grandiosa herança artística de Bizáncio e dela vivera, até que, graças à influência dos grandes místicos alemães, começou a revelar característicos próprios. Em todos os painéis, o nosso pintor de Colônia deixou vestígios inconfundíveis de sua origem. Em Aparição de Nossa Senhora a São Bernardo, e no admirável Senhor dos Martírios, Frei Ricardo do Pilar reproduz com extraordinária fidelidade de ótimo discípulo, os traços comovedores do célebre Véu de Santa Verónica, uma das melhores obras da antiga Escola de Colônia, por muito tempo atribuída ao mestre Wilhelm de Colônia e ainda hoie existente na Pinacotéca de Munich. 

Bom Jesus dos martírios
Museu do Mosteiro de São Bento da Bahia

A última e melhor obra de Frei Ricardo do Pilar, entre as que ainda existem, foi o grandioso e bem sentido painel de Nosso Senhor dos Martírios, na sacristia do mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro. Desta obra realizou ele, a seguir, nova reprodução de meio corpo, para o mosteiro de São Bento da Bahia.

A assinatura de Frei Ricardo do Pilar que abaixo reproduzimos, acha-se na sua carta de profissão, de 24 de maio de 1695.

Nenhum trabalho de Frei Ricardo do Pilar mostra o nome ou qualquer sinal de identificação do seu ilustre autor. Nada mais natural; pois na sua conhecida humildade seguiu esse pintor o costume e o espírito dos artistas da idade média. Cuidou de salientar apenas a sua obra, e não a sua pessoa; não buscava a glória do seu nome, e sim achava satisfação em representar a glória de Deus e dos Santos.

Carta de Profissão de Frei Ricardo do Pilar



Extraído do Livro Frei Ricardo do Pilar
Dom Clemente da Silva Nigra,OSB






  



Nenhum comentário:

Postar um comentário